05
Ago 11


Era uma vez um rapaz chamado David que namorava com a linda Inês, e todos, mas mesmo todos, os dias ele ia visitar a sua amada, David morava numa pequena casa situada próximo de Vale da Felicidade e Inês próximo do lugar onde hoje se situa a localidade de Abela, sucede que num certo ponto do caminho, Santos mais concretamente, ele se habituou a admirar uma linda roseira, tinha uns botões de rosa como nunca vira mais nenhuns, eram de um vermelho escuro como não existiam outros e pareciam veludo autêntico.


Muitas vezes, David, deixava-se ficar, ali parado, a observar aquela linda roseira, parecia-lhe que o tempo parava, deixava-se ficar como que embevecido e tinha de correr para não sobressaltar a sua amada, ainda nunca lhe falara na roseira e no encanto que ela lhe provocava, não era por nada de especial, simplesmente não tinha calhado.


Mas um dia, há sempre um dia, David deixou-se ficar tanto tempo a admirar a roseira que quando chegou junto a Inês já era muito tarde, e entendeu que lhe devia uma explicação, foi assim que a sua jovem amada ficou a saber da bela roseira, e disse logo:
-Meu amor, se essa roseira ganha tanta beleza nas tuas palavras, então é porque ela tem mesmo algo de especial, deixa-me beber de toda essa beleza de que me falas.


David ficou radiante por confirmar que a namorada admirava tanto o seu bom gosto que acreditava na beleza daquela roseira, mesmo antes de a ver, só pelas suas palavras.


Combinaram então que no próximo fim-de-semana, David a levaria a ver a roseira.


Assim foi, Inês ficou estupefacta, de boca aberta, e só conseguiu pronunciar:
- Lindo
Eram botões e mais botões, eram rosas já abertas, todas, todas do tal vermelho que parecia veludo.


Depois de alguns minutos, bastantes, talvez até horas, a apreciarem a roseira, Inês perguntou:
-Meu amor, será que posso colher um destes botões e levá-lo para casa?


David ficou pensativo, alguns momentos, não queria contrariar a sua amada, por isso procurou um modo doce de lhe dizer o que pensava, e respondeu:
- Ouve meu amor, a roseira não é minha, provavelmente nem é de ninguém, por isso penso que sim, mas gostaria que pensasses que se todos, que por aqui passam, colhessem um botão de rosa, a roseira perderia muito da sua beleza.


Inês concordou com o namorado e desistiu da sua ideia de apanhar um único botão que fosse.


Regressaram a casa era já noite, iam encantados com tanta beleza, entraram em casa dos pais de Inês sem conseguir esconder a felicidade que lhes ia na alma.


David despediu-se da namorada, e dos pais, e tomou o caminho de regresso a casa, ia muito concentrado nos seus pensamentos quando percebeu que estava a ser seguido, olhou para trás e viu dois homens com muito mau aspecto, acelerou o passo e verificou que eles faziam o mesmo, estava sozinho num terreno ermo, ninguém lhe poderia valer.


Deitou a correr e os seus perseguidores imitaram-no, percebeu que não lhes conseguiria fugir, pelo contrário, eles estavam cada vez mais próximos, sentiu-se perdido, quem seriam aqueles dois, provavelmente dois malteses que o queriam assaltar, sentiu medo, já ouvira histórias aterradoras acerca deste tipo de gente.


David chegou junto ao local onde estava a roseira que tanto apreciava e pareceu-lhe ver algo estranho, a estrada fazia um pequeno desvio e tinha roseiras de um lado e do outro, parecia-lhe que não conhecia aquele caminho, avançou e não queria acreditar no que via, o caminho por onde passava não era a estrada, era sim um espaço aberto entre os ramos da roseira que se iam fechando à medida que ele avançava.


Ele caminhava por entre os ramos da roseira! Pensou que sonhava e assim que se viu completamente coberto pela roseira, ouviu os seus perseguidores:
- Mas onde se meteu o gajo, parece que desapareceu.


Continuou a ouvi-los praguejar durante mais alguns minutos, até que percebeu que desistiam e se afastavam.
Foi então que ouviu com o que uma voz estranha:
“ Tu, quando aqui estiveste com a tua namorada, hoje pela tarde, salvaste uma das minhas filhas, agora chegou a minha vez de ser eu a salvar-te. Já podes ir em paz, aqueles dois já se foram e podes ir descansado que haverá sempre uma flor a olhar por ti até chegares a casa.”
David viu os ramos da roseira a abrirem-se para o deixar sair e voltarem a fechar-se à sua passagem.


Debruçou-se sobre um dos botões de rosa, beijou-o e este, apesar de já ser noite, abriu-se por completo, como que a retribuir o gesto.

 

Moral:
“Amor gera amor”

Francis Raposo Ferreira

 

 

 

 


 

 

publicado por Chicailheu às 01:34
borboletas:

Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
30
31


::RELÓGIO::
RSS
::CONTADOR::
Ferias
Contador
::MEUS SLIDES::
::MIMINHOS::




































::BLOGUES AMIGOS::
O Blog da Joanina Azoriana / Açoriana Grilinha
::MINHAS MÚSICAS::
as minhas fotos
mais sobre mim
pesquisar
 
as minhas fotos
blogs SAPO